Skip to content

Pesquisa sobre 2022: Bolsonaro lidera, com 36%, e Flávio Dino míseros 1%

AJUDE COMPARTILHANDO

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) venceria as eleições presidenciais de 2022 em todos os cenários se ela fosse realizada hoje. A conclusão é do PoderData, e se baseia em pesquisa realizada entre os dias 21 e 23 de dezembro.

Na simulação com 10 candidatos no primeiro turno, o presidente ficaria em um distante primeiro lugar, com 36% das intenções de voto. Em seguida, vem o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT), com 13%. Os dois disputaram o segundo turno da eleição de 2018.

Também estão na lista de nomes colocados como postulantes no primeiro turno o ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT), que ficou com 10% das intenções de voto; o apresentador Luciano Huck (sem partido), com 9%; e o ex-ministro da Justiça de Bolsonaro Sergio Moro, com 7%.

Completam os nomes pesquisados pelo PoderData o candidato derrotado neste ano para a prefeitura de São Paulo Guilherme Boulos (PSol) (5%); o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), com 3%; o empresário e ex-presidente do Partido Novo João Amoedo (3%); o governador do Maranhão, Flavio Dino (PC do B), com 1%; e o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM), com 1%.

Alguns desses nomes foram comparados com o do presidente Bolsonaro em um eventual segundo turno. O melhor desempenho é de Huck, que ficaria com 38% das intenções, contra 44% de Bolsonaro. Já Moro teria 36% contra 43% do atual presidente. Ciro Gomes e Fernando Haddad teriam desempenho semelhante, com 35% dos votos. A diferença é que contra o petista Bolsonaro receberia, segundo a sondagem, 48% dos votos, e contra Gomes, 44%.

Contra Boulos Bolsonaro teria 46% dos votos, enquanto o candidato do PSOL receberia 34%. O pior desempenho é de Doria, que ficaria com 31% dos votos, 15 pontos percentuais a menos do que os 46% de Bolsonaro.

A pesquisa entrevistou 2,5 mil pessoas por telefone em 470 municípios de todas as Unidades da Federação. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Fonte: Metropole

Comments are closed, but trackbacks and pingbacks are open.

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.